O romance conta a história dramática de um músico talentoso que, por ter o rosto deformado, se afasta de toda a sociedade, habitando as catacumbas de Paris. Na ópera, se apaixona por Christine, a jovem orfã a quem dá lições de canto durante a noite.

Christine reencontra Raoul, o novo patrono, que era seu amor de infância. O Fantasma, com ciúmes, a rapta e leva para seus aposentos, debaixo da ópera, acreditando que ela vai amá-lo. Christine arranca sua máscara para ver o seu rosto. Vê seu rosto desfigurado e ele ordena que volte ao teatro.

Ao perceber que a soprano vai fugir com o amado, volta a sequestrá-la e decide forçá-la a casar, sob ameaça de matar Raoul. Erik partilha um momento de intimidade com a moça, contando seu passado e chorando. Acaba deixando que Christine parta com Raoul.

Análise do musical

A adaptação do romance de Leroux para o teatro musical foi escrita e composta por Andrew Lloyd Webber, com letras de Charles Hart e Richard Stilgoe. Estreando em 1986 em Londres e na Broadway, dois anos depois, foi um sucesso estrondoso.

O Fantasma da Ópera se tornou o espetáculo com maior tempo de exibição na Broadway, tendo ultrapassado as 10 mil sessões no ano de 2012. Musicalmente, várias análises apontam que o grau de inovação das músicas compostas pelo Fantasma (na sua ópera “Dom Juan Triunfante”), contrastam com as formas tradicionais presentes nas outras canções do espetáculo, salientando o seu talento e gênio.

A figura misteriosa declara seu amor pela cantora e afirma que precisa da voz dela para dar vida às suas composições musicais. Curiosa, ela levanta a máscara e vê seu rosto deformado. Ele assume um comportamento violento, gritando e batendo na soprano. Depois, emocionado, confessa seu sofrimento e desejo de ser igual aos outros.

O Fantasma manda um bilhete para o diretor da Ópera, exigindo que Christine seja a estrela do próximo espetáculo e avisando que iria se vingar se não o obedecessem. Assim, enquanto Carlotta está no palco, o Fantasma transforma sua voz no coaxar de um sapo. De repente, o corpo de um funcionário do teatro que estava sempre falando mal do Fantasma aparece no palco e gera pânico entre o público, enquanto se escuta uma risada maléfica.

A jovem consegue fugir para o telhado com Raoul e conta tudo o que aconteceu no esconderijo do Fantasma. Embora, inicialmente, não acredite, o patrono declara seu amor e promete protegê-la. O Fantasma escuta a conversa e, em fúria, faz cair o lustre em cima do palco.

Ato II

Depois do episódio do lustre, o Fantasma volta a aparecer diante de todos durante um baile de máscaras, fantasiado de Morte Vermelha. Anuncia que escreveu uma opéra chamada “Don Juan Triunfante” e exige que ela seja encenada imediatamente, com Christine como cantora principal.

Raoul, sabendo que o Fantasma estará presente na estreia, tenta convencer a amada a ajudá-lo a montar uma armadilha mas ela se sente relutante em atraiçoar o seu mestre. O Visconde descobre, através de Madame Giry, que a entidade misteriosa é um gênio musical com poderes mágicos que, por ter o rosto deformado, decidiu se esconder nas catacumbas da Ópera.

Durante a peça. a soprano descobre que está contracenando com o próprio Fantasma e arranca novamente a sua máscara, desta vez diante de todos. Nesse momento, o corpo do ator que deveria estar em palco é encontrado nos bastidores.

Com a confusão, o Fantasma sequestra Christine, não sem antes capturar seu rival. Obriga a jovem a usar um vestido de noiva, anunciando que vão casar e ameaçando matar Raoul, se ela recusar.

Numa conversa emocionada, a soprano diz ao Fantasma que a sua deformidade está na alma e não no rosto, beijando-o num sinal de compaixão. O gesto desperta o lado humano do “monstro” que resolve deixar os dois amantes partirem.

Interpretações e significado de “O Fantasma da Ópera”

Várias leituras e interpretações podem surgir a propósito do romance de Leroux. Apesar de todos os crimes que comete e de exibir um comportamento agressivo, egocêntrico e obsessivo, a figura do Fantasma tem conquistado a simpatia e a compaixão do seu público.

Adaptações cinematográficas

Além da famosa adaptação para teatro musical, o livro de Gaston Leroux foi transportado para as artes visuais inúmeras vezes, com mais ou menos fidelidade à narrativa original.

O Fantasma da Ópera (1925), Rupert Julian

Filme de 1925

A primeira representação no cinema foi em preto e branco. No filme mudo, o protagonista surge sempre sem máscara, revelando seu rosto assustador. Rejeitado por Christine, sequestra a cantora, que acaba sendo resgatada pela polícia.

O Fantasma da Ópera (1943), Arthur Lubin

Filme de 1943

Nesta adaptação, a história está bastante modificada e Erik é um violinista da orquestra que se apaixona por Christine, uma cantora sem muitas capacidades vocais. Por amor, começa a pagar aulas de canto para que a soprano melhore, ao mesmo tempo que seu próprio talento vai desaparecendo.

O músico acaba sendo despedido e se dedica à composição mas sua obra é roubada e seu rosto é queimado com ácido quando tenta recuperá-la. Se esconde nas catacumbas e elabora um plano para conquistar o amor da jovem mas acaba morrendo num desabamento.

O Fantasma da Ópera (1962), Terence Fisher

Filme de 1962

Passado no cenário londrino, a história se assemelha à do filme de Lubin. O protagonista, Petrie, é um professor pobre cuja obra é roubada e o rosto é queimado com ácido, na sequência. Se refugia na Ópera onde ensina Christine a cantar. Neste filme, o Fantasma não está apaixonado pela soprano, apenas quer ajudá-la a atingir o seu potencial artístico. Petrie morre em palco, salvando a vida de Christine, que iria ser atingida por um lustre.

O Fantasma do Paraíso (1974), Brian De Palma

Filme de 1974.

Muito diferente das outras versões, o filme de Brian De Palma é uma ópera rock. A adaptação livre mistura elementos do enredo de Leroux com as narrativas de O Corcunda de Notre Dame de Victor Hugo e Fausto de Goethe.

O Fantasma da Ópera (2004), Joel Schumacher

Filme de 2004-

A mais recente adaptação cinematográfica é também a mais próxima do musical da Broadway, mantendo o seu enredo e as canções originais no show. Recuperando o mito do Fantasma mascarado, o filme de Schumacher obteve bastante sucesso, sendo nomeado para o Oscar e o Globo de Ouro de 2005.

5 curiosidades sobre “O Fantasma da Ópera”

  1. No romance original, Gaston Leroux defende que está contando uma história real, apresentando relatos e documentos que pretendiam comprovar a veracidade da narrativa.
  2. Ao longo de três décadas, o musical da Broadway já faturou mais de 1 bilhão de dólares.
  3. No filme de 2004, para que as chamas parecessem realistas durante o incêndio no teatro, a produção pegou fogo nos cenários.
  4. O filme de Joel Schumacher foi financiado por Andrew Lloyd Webber, que investiu 6 milhões de dólares na produção.
  5. O musical já foi traduzido para mais de 15 idiomas, entre os quais o russo, o húngaro e o coreano.

Envie para os amigos Whatsapp Whatsapp Facebook